terça-feira, 9 de novembro de 2010

Eleições 2010 - Parte II

Pessoal, continuando no assunto das já passadas eleições deste ano, gostaria de abordar um assunto mais específico: os programas de transferência de renda. As opiniões sobre o assunto são variadas, porém, há de se observar alguns fatores para a formação de uma opinião acerca do assunto.

Esses programas, como o bolsa família, são ótimos para arrecadar votos. De nada adianta dar o peixe. Conheço casos reais onde, no meio rural, é difícil encontrar alguém disposto a fazer serviços braçais, pois alegam que recebem auxílio do governo e não necessitam trabalhar. Não quero generalizar, longe de mim. Apenas acredito que esse "peixe dado" não faz bem.

Isso tudo se reflete nas eleições da seguinte maneira: a metade norte do país, tendo um salário médio inferior ao da metade sul, vota no partido liberal que implantou os programas de transferência de renda que ajuda - com o perdão da expressão - o povão. Já a metade sul, tendo a condição contrária e, portanto, sendo a principal pagadora do bolsa família, certamente irá votar no partido de ideologias conservadoras. De forma mais geral é assim que funciona, basta olhar o mapa do país indicando os estados nos quais cada partido venceu na votação do segundo turno, por exemplo.

O Brasil é um país muito grande e dificilmente será administrado de forma satisfatória aos dois lados - norte e sul. Existem grupos que defendem a separação do sul, outros do nordeste, bem como do sudeste. Neste ponto já estaríamos entrando em uma discussão sobre separatismo, o que não vem a calhar no momento.

O que eu acredito, Senhores, é que deve se ensinar como pescar. Mas de nada adianta simplesmente abrir cinquenta novas universidades e disponibilizar mais um milhão de vagas nas instituições já existentes como faz o Reuni. Conheço uma universidade onde foram disponibilizadas mais vagas do que a instituição pode acolher, resultando na falta de professores, salas de aula e equipamentos, bem como em atrasos curriculares para os alunos. O sistema de ensino, assim como os demais, deve crescer de maneira saudável, garantindo que seu desenvolvimento consolide-se e sua evolução seja continuada.

O voto é algo que devemos honrar, é uma conquista suada do nosso povo. Portanto, devemos pensar com muita cautela quem é seu merecedor. Leiam, mas leiam bastante. Pergunte aos mais velhos o passado de determinado candidato, converse e debata. Não acredite apenas no que sua família, amigos e determinado jornal ou canal de televisão diz. Procure a verdade. Vale a pena, garanto.

À nova presidente do Brasil, Dilma Rousseff, desejo que faça um excelente trabalho no comando e honre os votos de seus eleitores.


Abraço e até a próxima.


quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Eleições 2010 - Parte I

Passadas as eleições, é hora de analisar friamente os fatos.

Dilma Rousseff ou José Serra, qual o menos pior? A verdade é que não tivemos nenhum candidato verdadeiramente merecedor do cargo de Presidente do Brasil. Aliás, há muito não temos nenhum desses. Aquele em que podemos votar com gosto, sem pudor.


Bom, sendo assim, o que resta? Votar nulo? Branco? Nenhum dos dois é uma saida interessante. Os dois são considerados inválidos. E para aqueles que pensam que a maioria de votos nulos anula uma eleição, estão redondamente enganados. Uma eleição só pode ser anulada por motivos de fraude. O que resta, pessoas, é escolher o menos pior. Triste, mas verdade.

A grande maioria dos políticos estão neste meio para defender seus interesses. Pode-se contar nos dedos aqueles que possuem uma ideologia nobre e plausível. Mas esperem, nem tudo está perdido! Os poucos e bons que temos na política, devem ser exaltados, e aqueles que sabemos estarem envolvidos em falcatruas devemos expurgar. Lembram de Antônio Palocci e José Dirceu? Ambos - envolvidos em escândalos, que não vou entrar em detalhes - irão integrar o governo de Dilma Rousseff como ministros. O que se pode esperar de um governo desses?

O Brasil deu um salto no desenvolvimento após a crise do sub-prime, tendo uma recuperação que pode ser classificada como expetacular, frente ao tempo de reação de outros países desenvolvidos. Um amigo que passara alguns anos na Inglaterra, voltou ao Brasil recentemente. Maravilhado com o avanço do país, defendia ardorosamente a campanha de Dilma Rousseff para presidente. O que ele esqueceu de mencionar e que mais tarde descobri, é que seu pai é "pêtista" radical e, por tal, "recebe o seu" em Brasília. O fato é que devemos parar de "olhar cegamente" as estatísticas e começar a tentar a entender o verdadeiro motivo do salto no desenvolvimento do nosso país. Até que ponto nosso desenvolvimento pode ser creditado a este ou aquele governo? É hora de pensarmos mais friamente.

Bom... o tempo é precioso e devo me despedir. Por ora é isso, porém, voltarei posteriormente abordando a segunda parte deste polêmico assunto. Leu esta postagem? Comente, nem que seja para dar um alô.


Obrigado pela atenção e até a próxima!

Mas, Mr. deLongas... quem é o Sr. mesmo?


Certo, Senhores, então vamos falar um pouco deste ambicioso e elegante homem de cartola que está no retrato:
 

Mr. deLongas é um procrastinador quase irremediável, que, de vez em quando, toma coragem e resolve fazer uma postagem decente em seu blog. Mas isso se aplica apenas a certas coisas. 

Mr. deLongas é rápido e conciso, quando é de seu interesse.

Mr. deLongas gosta de lêr e aprender sozinho os assuntos de seu interesse. Prefere buscar a informação por si mesmo do que esperar que algum professor ou "guru" o instrua. Isto o leva, muitas vezes, à arrogancia e a prepotencia.

Mr. deLongas, ao contrario de muitos, expressa sua opinião sincera e não tem escrúpulos ao aplicar seus comentários ácidos, inesperados e originais.

Mr. deLongas dispensa opiniões que sejam pobres e pré concebidas. Ele enobrece as que são de raciocínio próprio, ricas e fundamentadas.

Mr. deLongas está em uma busca incessante ao seu primeiro milhão de dólares. Mas deixemos isto como mero pano de fundo.

Mr. deLongas tem preferencia por deixar sua verdadeira identidade em segredo. Ele não quer que seus leitores se decepcionem.


Enfim, Mr. deLongas, nada mais é do que um "pseudonimo-caricatura" do autor. Foi criado, principalmente, para ajuda-lo à evoluir sua personalidade, refletindo sobre suas ações e maneiras de ver o mundo, além de, claro, trazer um conteudo interessante aos seus leitores.




Stay tuned, até a próxima.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Olá, Mundo!

Há alguns meses atrás, já era de desejo meu criar um blog para, de alguma maneira, compartilhar meus conhecimentos e dúvidas. Depois de muito protelar, adiar, procrastinar, deixar pra depois, demorar... Enfim, depois de muitas delongas, criei o bendito.

Alguém vai ler os "interessantes" posts que escrevo aqui? Bom, isso não importa. Com leitores ou não, aqui vamos nós!

Ficha Técnica

Nome do Blog: deLongas
Autor: Mr. deLongas
Assuntos Tratados: Informática, Tecnologia, Economia, Engenharia, Política e afins
Periodicidade Padrão das Postagens: Nem Deus sabe
Objetivo: Compartilhar diversos tipos de informações, bem como opinar acerca das mesmas e discuti-las com seus leitores

Gostou da proposta? Comente, siga-me, assine meu RSS e leia as próximas postagens!
Não gostou? OK, clique em "Próximo blog»" ;)

Nos falamos na sequencia, garotada.


Forte abraço.